out 18

A história de uma ‘Hinchada’!

Não é novidade nenhuma que os nossos vizinhos argentinos são muito mais apaixonados como torcedores que qualquer time brasileiro possa tentar ser.

O grito de todas as torcidas são verdadeiros hinos e são cantadas a plenos pulmões fazendo com que a cancha vire um verdadeiro caldeirão!

Mas aqui venho falar da mais apaixonada, aquela que tem um diferencial, que canta e pula como se estivessem em campo com os jogadores. Sim meus caros a ‘Hinchada’ do

RACING CLUB DE AVELLANEDA

O clube foi fundado em 1903 e foi 17 vezes campeão argentino, tem 12 copas da argentina e foi primeiro time argentino a ganhar a Libertadores! Quantas glórias né?
Nem tantas assim, o time já ficou anos na Série B e enfrentou jejuns de títulos e por incrível que pareça uma falência, sim o clube em 1999 teve a falência decretada.

Ai que começa uma história de amor jamais vista por uma torcida :

Em 1999, o clube acumulava dívidas de mais de trinta milhões de dólares e o Racing abriu falência, anunciada à rádio local pela responsável das finanças da instituição após decisão da justiça. Aquilo significava que o clube deveria fechar as portas e abandonar o profissionalismo por tempo indefinido. “O Racing Club deixou de existir” era o que mais se ouvia nas ruas de Buenos Aires. Na TV, no rádio, nos jornais, a repetição dessa frase mais parecia uma sentença de morte para os torcedores.

 E esse clube deixou de existir? Para os rivais sim, mas seus torcedores, seus hinchas, não deixaram que isso acontecesse. Em 7 de março de 1999, no dia em que a equipe deveria receber o Talleres pela primeira rodada do Clausura, o jogo,  não aconteceu, já que o Racing havia “deixado de existir”. No entanto, a hinchada do Racing Club de Avellaneda ainda existia, e lotou o Estádio El Cilindro para acompanhar um jogo que nunca aconteceu.

Esse episódio fez com que fosse criada uma das melhores canções que demonstram o amor por um clube.

Ouça:

Tradução:
Desde pequeno te sigo
Junto com Racing sempre a todos os lados
Bancamos uma falência, um rebaixamento e fomos arrendados
Não esqueço do dia
Em que uma velha louca dizia
Que o Racing não existia,
Que teria que ser vendido
Sim, enchemos nosso estádio e não jogamos
Defendemos a nossa sede de ser tomada
Sim, a nossa é uma torcida diferente,
Não é amarga como a do Independiente,
Os bosteros, San Lorenzo e as gallinas
Nunca encheram 2 canchas no mesmo dia,
E a vocês, Independiente, eu digo:
Vocês são amargos e sem alma
Vocês são amargos e só se garantem armados…

Tem uma parte dessa música que também conta uma história unica do futebol, quando os mesmos falam que encheram 2 ‘canchas’ no mesmo dia.

Quando o Racing conquistou o seu primeiro título de nível nacional  em 2001, depois de um jejum de em 35 anos, mais uma vez, essa magnífica hinchada mostrou do que é capaz . O clube iria jogar na cancha do Vélez Sarsfield, e seus torcedores foram como mandantes ao território inimigo. Mandantes pelo número de torcedores que levaram, e os que não conseguiram ir, lotaram o Cilindro (cancha do Racing), ou seja, lotaram dois estádios no mesmo dia. 

Ainda tem o filme: O Segredo dos seus olhos ( que é altamente recomendado por esse que vos fala) que em pequenos detalhes o diretor do filme fala sobre a paixão dos torcedores por esse clube.

“Uma pessoa pode trocar de tudo, de rosto, de casa, de família, de namorada, de religião, de Deus, porém há uma coisa de que não pode trocar: de paixão”

Sem dúvidas paixão incondicional é o que representa esse clube. No Racing você já nasce apaixonado, que o diga Salvi, ao ir a primeira vez ao El cilindro.

By: Raphael Morgado.